“Tem que rever a política monetária que está gerando a dívida”, afirma Fattorelli

Para ela, PEC 241 deveria criar um teto de gastos para a dívida pública como faz com os gastos primários

A terceira edição do Seminário do Dia do Servidor Fazendário (Sedifaz) teve como principal palestrante a auditora fiscal aposentada da Receita Federal, Maria Lúcia Fattorelli, que falou sobre dívida pública. A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 de 2016, aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, foi bastante criticada por ela durante o evento e entrevistas à imprensa. A auditora falou, também, que a solução financeira do Brasil está em “rever a política monetária que está gerando a dívida”.

Maria Lúcia Fattorelli criticou de forma veemente a PEC 241

Maria Lúcia Fattorelli criticou de forma veemente a PEC 241/16

Esse ano, o Sedifaz foi realizado no auditório da Faculdade de Estudos Sociais (FES) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), na sexta-feira, 21. Parlamentares membros das comissões de finanças da Câmara Municipal de Manaus (CMM) e da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) prestigiaram o evento, que contou também com a cobertura jornalística da imprensa local, a presença de professores e estudantes universitários, além dos fazendários, os grandes homenageados do evento. O Sedifaz é promovido pelo Sifam desde 2014 em comemoração ao dia do servidor fazendário, 17 de outubro.

A dívida pública tem sido a justificativa para alterações na nossa constituição. Essa PEC 241 tem como justificativa a crise. Ela coloca um teto nos gastos chamados primários, que são todos os investimentos e gastos em saúde, educação, segurança, tecnologia, todas as áreas exceto na chamada dívida pública”, disse Fattorelli à imprensa durante coletiva, realizada nessa edição do Sedifaz. “Tem que rever a política monetária que está gerando dívida. Em momentos de crise, qual o papel do Banco Central é reduzir drasticamente os juros e irrigar a economia de moeda para ativar a economia”, declarou ela ao ser questionada sobre a solução para a dívida pública.

sedifaz-apagar-12 sedifaz-apagar-9

TRANSPARÊNCIA

Além da dívida pública, o Sedifaz colocou em pauta um tema sempre atual, a transparência. Os advogados Juliana Oliveira e Adriano Fonseca falaram sobre o “compliance público”, também chamado de programa de integridade. O termo pode não ser muito famoso, mas na prática significa mecanismos para alcançar a maior transparência possível, como explicou a dupla de palestrantes. “O programa de integridade vai ser um investimento para que ocorra a transparência com procedimentos que vem realmente fortalecer o país nessa questão da luta contra corrupção e vai contribuir para a saída desta crise econômica“, afirmou a advogada e consultora em compliance.

O advogado Adriano Fonseca, especialista em compliance criminal, deu um exemplo de como aplicar essa ferramenta pode ser vantajoso tanto para o setor privado como o público. “As condutas hoje que reclamam ação do Direito Penal são praticadas nos seio de corporação empresariais. Houve uma grande poluição. Quem foi que poluiu? A empresa, mas quem na empresa deu a ordem? Foi o diretor? Foi o dono? Foi o engenheiro responsável? Tem essa dificuldade de se apurar quem foi, daí a importância do compliance criminal. A empresa tem que adotar medidas de controle e fazer um mapeamento de risco para quê não ocorram condutas típicas penais no seio da empresa ou para que quando isso ocorra sejam identificadas as pessoas físicas responsáveis”, explicou ele.

sedifaz-apagar-2sedifaz-apagar-5sedifaz-apagar-6

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.